25 setembro 2008

The Terminator

Qual exterminador implacável, o Major Valentim Loureiro teima em não desaparecer, mesmo quando a última vez que o vimos foi a mergulhar num tanque de metal em fusão. À semelhança do homem de ferro, apresenta características de sobrevivência únicas voltando sempre a aparecer intacto e pronto para a luta após ter dele restado somente o mindinho esquerdo a contorcer-se efusivamente num corredor qualquer do Tribunal de Gondomar. As célebres palavras do Arnold "I'll be back!" aplicam-se certamente ao Sr. Loureiro, sendo possivelmente substituído por um sonoro "Eu bou boltar, carago!".
E volta.
A última deste Senhor (com "s" grande que isto do respeitinho é muito bonito) é a alegada participação num negócio de compra e venda de um terreno da Reserva Agrícola Nacional que rendeu três milhões de euros em duas semanas. Nada mau. Acusado dos crimes de instigação danosa, burla qualificada e prevaricação pelo Ministério Público, o Major nega veementemente e clama a sua total inocência, como seria de esperar aliás. Eu até o percebo, o homem está cansado de ir a tribunal vezes sem conta dizer que está inocente sempre que é acusado.
Tadinho.
O busílis da questão não reside no entanto no curtíssimo prazo em que o lucro foi obtido, mas sim no facto de a compra inicial ter sido efectuada a favor do filho do Major, Jorge Loureiro, e mais dois sócios, e a posterior venda à STCP, Sociedade gestora dos transportes públicos do Porto, só possível graças à desafectação da propriedade da R.A.N. Sendo o Major simultânemente Presidente da Câmara de Gondomar e Presidente da Empresa do Metro do Porto isto tudo tem um cheiro tão intenso a tráfico de influências que até doí.
Como já aqui escrevi, não há fumo sem fogo, e o Major ou é incendiário ou anda pelas ruas deste país permanentemente com fumo branco a sair-lhe da testa sendo o único ser vivo visível a olho nú desde o espaço. Estou a imaginar os diálogos no Space Shuttle: "Olha ali a muralha de China....e olha ali o Major Valentim...".
Tudo isto até seria engraçado, não fosse sobretudo uma tristeza.
Uma única pergunta: como é que este ser ainda não está preso?
.
.
.
"Eu bou boltar, carago!"

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

gostei do tadinho...
e do busilis...bela expressao...

gostei daquela vez que ele se enganou a gritar..já nao sei o que..

bjs cat(in the hat)

16:49  
Blogger G! said...

"P.S., P.S., P.....P.S.D., P.S.D..."

17:07  
Anonymous Anónimo said...

ahhhhhh isso mesmo!
lololol

18:24  

Enviar um comentário

<< Home